sexta-feira, 28 de setembro de 2012

ASNEIRA NÃO PAGA IMPOSTO


Quando chego em Patu, eu me deleito pois estou em casa. Que delícia encontrar minhas amigas e meus amigos e saber das coisas engraçadas que acontecem e agora nesta época de política é que as coisas são mais interessantes.


            Os comícios realmente são um espetáculo à parte. Mereceriam ingresso pago. Os discursos são impagáveis, alguns muito semelhantes  aos contos da carroxinha. Ou muito parecido com o que aconteceu em certa escola. O professor, dando aula de história geral, perguntou: -Joãozinho, voce escutou a explicação que dei a respeito de Roma. Pergunto: Quem botou fogo em Roma? O menino começou logo a chorar, dizendo: -não fui eu professor. Saiu correndo e em seguida veio com seu pai, já acompanhado pela prefeita da cidadezinha. O pai foi logo dizendo: -Professor, como é que o Sr. pode achar que meu filho botou fogo naquele lugar que falou pra ele! Eu garanto que meu filho não mente. O professor respondeu: -Calma, eu apenas perguntei, quem tinha tocado fogo em Roma! Então a prefeita logo se apressou a intervir a favor daquele que já foi seu eleitor: -Olha, professor, me diga quanto foi o prejuizo causado, que se não for alto demais, a prefeitura pode pagar, e está tudo resolvido.


            Qualquer semelhança com situações atuais, não chega a ser mera coincidência. Pois, em Patulândia acontece algo semelhante. Escutando os discursos se percebe que há candidatos com sequência boa de idéias, apresentando propostas para um desenvolvimento real e sustentável, com um modo de encarar o título de gestor público como deve ser, alguém que está disposto a aplicar o dinheiro público para o bem do povo. Mas há também candidatos apenas interessados em fazer do cargo um emprego sem muito compromisso, por isso seu panfleto com a sigla e nùmero, diz que é a voz do povo, mas não tem coragem de falar em público, ou porque tem medo ou porque não tem propostas. Já é uma voz que não existe. Pelo jeito quer apenas usufruir do salário e benesses do cargo.


            Nos anos sessenta havia no rádio um programa muito engraçado chamado: "Asneira não paga Imposto", onde apareciam piadas ilustrando a burrice de certos políticos deste grande Brasil. Naquele programa surgiam formas hilariantes e disparates ocorridos em discursos semelhantes a muitos ainda hoje em dia proferidos no palanque vermelho, como por exemplo: Votem em mim que sou uma laranja, sou uma laranja doce que todos voces vão querer degustar. Ou: Vou dar um jeito de acalmar as almas penadas que vagueiam em nosso cemitério. Ou outra : Não vejo a hora de colocar na lata do lixo aqueles que não gostam de mim. 


            Reparem nos disparates: um gestor admitir que é laranja e aceitar de público que outra pessoa é que manda em seu lugar, já é demais. Não há doçura que justifique tal situação. E a respeito das almas, acredito que, se durante 4 anos não foi feito nada no cemitério, elas já tem motivo suficiente para perturbar o sono de quem falou tanta asneira. E se em Patulândia a questão do lixo já é um problema, como vai ser se lá for colocado mais um bocado de gente consciente?

             Política é coisa séria. Mas no dia a dia, não parece ser. O horário da propaganda dos candidatos, parece mais um concurso de palhaços. Mas como tudo tem uma causa, a falta de seriedade tem um fundo histórico. Há pouco tempo atrás, para se eleger, bastava sair rua a fora com uma maleta cheia de dinheiro e o voto era comprado e em seguida renegociado por outro candidato que viesse com mais dinheiro. Temos então de um lado a extrema pobreza que fragiliza a personalidade e por outro lado o poder econômico comprando votos e consciências.

            Gosto de dizer o que penso. Acredito que muitos se sentem incomodados. Pois houve quem dissesse que eu só tenho um voto. Isto é verdade, mas faço como o beija flor que ajudava a apagar o fogo da floresta com a gotinha de água que levava no bico. Ridicularizado pelo elefante, retrucou: -Faço minha parte. Por isso o meu voto agora é 25 e significa geração de emprego e respeito a meu próximo que merece viver na linda cidade, pé da Serra de Patu e da Serra do Lima de Nossa Senhora dos Impossíveis. Fico feliz em poder acrescentar meu único voto à linda vitória do 25 em que 2 mais 5 são 7 e 7 é um número perfeito e unido ao dia 7 é vitória na certa. Assim confio juntamente com a maioria dos eleitores de Patu, que acreditam em dias melhores, sem ditadura, perseguição e mentiras, como as que são divulgadas a respeito de certa pesquisa enganosa.


            Só tomara que aconteça o mesmo que houve no tempo em que Iberê e Rosalba eram condidatos. A pesquisa dava em Patu uma vitória de quase 2.000 votos a Iberê. No entanto, os candidatos de Popó, tanto para governo do Estado, para Deputado Federal e Estadual deram uma lavagem total com direito à shampoo, condicionador e perfume francês. E acredito que vai ser assim de novo, pois a maioria do povo é inteligente e sabe distinguir a verdade da mentira. Por isso acredito na vitória de Magnólia e Remédios com o apoio de Lair, de Popó e do povo. Não vou apostar, pois o voto é do povo, mas estou torcendo e muito, para que realmente a vitória seja do 25, seguido de muita festa em Patu.     

Um comentário:

  1. Este texto está bem escrito e bem critivo. Parabéns amiga Mirian.

    ResponderExcluir